O tão falado 5G: como funciona?

Como Funciona 5G

Ultimamente tem sido muito falado sobre a tecnologia 5G e a implementação da mesma no mundo.

Assim como qualquer inovação tecnológica, sempre ficamos curiosos para saber do que se trata e o que trará de novidade para o mundo.

Mas, para entender um pouco mais sobre o 5G, precisamos primeiro conhecer as gerações da tecnologia G.

Afinal, o que é a tecnologia G?

via GIPHY

A letra “G” representa a geração da rede de internet móvel, enquanto os números indicam a evolução de cada versão. Traduzindo: quanto maior o número, mais avançada e recente é a tecnologia.

Agora, vamos entender cada geração. Confira abaixo!

O começo de tudo

Nos anos 80, foi popularizada a primeira rede móvel! O sistema era analógico e, na época, era mais conhecido como AMPS (Advanced Mobile Phone System – e, em português, significa Sistema Avançado de Tecnologia Móvel). Sua velocidade era semelhante à da rede discada.

via GIPHY

A rede 1G não é muito falada, mas, era usada principalmente para os telefones instalados em carros! Cada um tinha cerca de 1 quilo e mais ou menos 30 centímetros de tamanho, ou seja: nem pensar em carregar no bolso!

A entrada na era digital

A tecnologia 2G foi um marco da transição dos protocolos de telefonia móvel analógica para digital e teve início nos anos 90. Ela foi baseada principalmente no GSM (Global System for Mobile Communications – em português, Sistema Global para Comunicações Móveis).

via GIPHY

A rede estabeleceu os parâmetros usados até hoje nas conversações por telefones móveis, mas ainda era muito primário para a troca de dados. Ainda assim, o 2G já permitia a troca de mensagens de textos e até de fotos via SMS.

Inovação do novo milênio

Finalmente chegamos nela: a popularização da internet móvel no mundo! Essa grande revolução só foi possível em 2001 com o surgimento do 3G.

A partir daí, passou a ser possível ter acesso a recursos multimídias, realizar videoconferências, acessar sites, e-mails, fazer download de vídeos, fotos e muito mais!

Finalmente os celulares puderam se transformar em smartphones com sistemas operacionais próprios, Wi-Fi, câmeras com qualidade maior e sinal de Bluetooth.

O 3G chegou para permitir que os smartphones alcançassem seu potencial e, em destaque, transmitir dados a longas distâncias.

A rede popular

O 4G teve início em 2010 no exterior e é totalmente baseada em IP (Internet Protocol – em português, Protocolo de Internet), podendo ser entendida como um sistema e rede ao mesmo tempo.

Em comparação com o 3G, o 4G pode chegar a ser de 4 a 100 vezes mais rápido que a tecnologia anterior.

via GIPHY

Apesar dos pontos positivos, o 4G também trouxe alguns negativos, como o aumento do consumo de bateria que é inevitável. A transição para essa geração foi lenta aqui no Brasil e ocorreu um pouco antes da Copa do Mundo de 2014, realizada no país.

Atualmente, é a rede mais utilizada pelos brasileiros.

O futuro que já chegou

Agora chegamos nele: o tão falado 5G! Essa nova geração permite o avanço da Internet das Coisas, ou seja,  a interconexão digital de objetos cotidianos com a internet. 

Em resumo, as redes 5G prometem aos usuários uma cobertura mais ampla e eficiente, maiores transferências de dados, além de um número significativamente maior de conexões simultâneas.

via GIPHY

Como essa nova rede funciona?

As redes 5G funcionam por meio de ondas de rádio, assim como as gerações anteriores. No entanto, o espectro coberto pela quinta geração da banda larga móvel é expressivamente maior que os anteriores, espalhando-se entre 600 e 700 MHz, 26 e 28 GHz e 38 e 42 GHz.

As antenas da nova rede serão acopladas às antenas já existentes, sendo adaptadas para funcionar em paralelo com a nova infraestrutura.

Além disso, as antenas menores com alcance de poucos metros, como as domésticas, por exemplo, poderão ser instaladas para repetir o sinal dos dispositivos locais, que serão redirecionadas para uma estação central.

Já as antenas replicadoras, aquelas que ficam em postes ou prédios altos, serão capazes de cobrir distâncias de até 250 metros!

Outra novidade, é o mecanismo inteligente das antenas 5G que será responsável por focalizar o sinal de rádio ao invés de emiti-lo para todas as direções. Dessa forma, a capacidade de cada antena será otimizada.

via GIPHY

Chegada no Brasil

Infelizmente a chegada da rede 5G ao Brasil deve demorar um pouquinho. A expectativa é que ainda leve de 2 a 4 anos, após o leilão das frequências, para que a rede seja disponibilizada às pessoas.

via GIPHY

No edital do leilão, aprovado pela Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), está previsto que o 5G deve funcionar nas 26 capitais do Brasil e no Distrito Federal em julho de 2022. Já para todas as cidades com mais de 30 mil habitantes, o prazo é até julho de 2029. 

Mas nenhuma dessas informações ainda estão 100% confirmadas, pois os prazos precisam ser aprovados pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para o leilão acontecer. 

Depois, as operadoras vencedoras precisarão investir em infraestrutura para oferecer a conexão, como instalação de fibras ópticas.

Além disso, o 5G vai exigir muito mais antenas para entregar todo o seu potencial.